Perfume

 

Um perfume controverso é aquele que divide a opinião pública – você ama ou odeia. Os que amam vão tentar defendê-lo até o final dos tempos. Os que odeiam vão não só rejeitá-lo como vão ficar perplexos ao descobrir que se tornou a fragrância assinatura de uma pessoa querida. Uma coisa é certa: estes perfumes controversos não param de vender.

Le Male Perfume

Le Mâle (Jean-Paul Gaultier)

Concebido em 1995 pelo ícone da perfumaria, Francis Kurkdjian, é até hoje uns dos perfumes mais vendidos do mundo e presente em todas as baladas. Seu frasco em formato de torso sarado certamente ajudou na época do lançamento, mas hoje o líquido se vende sozinho. Nele você vai sentir três notas bem salientes: lavanda, menta e cumarina. A combinação do cheiro de barbearia (lavanda e menta) com cheiro de marzipã (cumarina) faz o estômago de algumas pessoas embrulhar.  

Farenheit Perfume

Fahrenheit (Dior)

Existem poucos perfumes que não têm um clone e Fahrenheit é um deles. Ele é tão complexo que não dá para classificar. Alguns dizem que é floral amadeirado, outros oriental e outros de couro cítrico. O importante é que Fahrenheit funciona muito bem, inclusive quanto a projeção e fixação – até demais. Eu prefiro o Aqua Fahrenheit, lançado em 2011, que combina melhor com o nosso clima. Fãs de Fahrenheit reclamam da reformulação que ele sofreu nos anos 90 (quando ésteres acetilênicos foram banidos) e guardam frascos vintage em cofre.

 

Kouros

Kouros (YSL)

Mais um perfume ainda não imitado, Kouros há mais de 30 anos vive na pele de homens e mulheres (sim, várias) ao redor do mundo. Tão complexo quanto Fahrenheit, esta fragrância brinca com as notas mais polarizadas, como jasmim e civeta (gato selvagem de cujas glândulas anais se pode extrair o almíscar), mel e couro, ou bergamota e especiarias. Kouros pra mim tem um cheiro luminoso e afiado, mas ainda me remete a vestiários masculinos de clube, onde o aroma de gel Bozzano é onipresente.

 

Polo Perfume

Polo (Ralph Lauren)

Comumente conhecido como Polo Green, é a grande obra-prima da marca Ralph Lauren. Difícil de acreditar que no Brasil ele tenha tantos fãs, pois literalmente cheira a Pinho Sol – pinho é a sua nota principal. Como nossa memória olfativa é poderosa e guarda associações no inconsciente, a maioria das crianças brasileiras cheirou desinfetante a base de pinho a infância inteira. Isso pra mim é brochante, no entanto para alguns o efeito é o contrário. Experimente criticar o Polo Green numa roda entre amigos e saberá.

 

joop perfume

Joop! Homme

Eu entendo a beleza dos outros perfumes controversos, mas este ainda me incomoda. Foi o primeiro perfume que eu comprei, quando tinha 16 anos – o mais barato da loja. Eu lembro até hoje a minha admiração por aquele frasco de 30 ml. E lembro também da decepção ao ouvir a reação das pessoas quando o apliquei pela primeira vez. É um oriental complexo com uma nota enorme de heliotrópio – o que faz de Joop! um perfume único e, para muitos, apaixonante. Cuidado ao criticá-lo, pois pode haver um defensor bem ao seu lado.

Enfim, gosto é gosto. Só não concordo que não se o discute, pois a gente acaba aprendendo muito. Se você é fã de um perfume controverso, coloque os pesos na balança. O máximo que pode acontecer é você ter de usar seu perfume encrenqueiro quando estiver em casa, sozinho.

Daniel Barros
Escreva seu comentário

* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Comente pelo facebook
7 comentários
  1. GIOVANNI ANDERSON  30/03/2014 - 22h17

    Não sou especialista em perfumes. Sou consumidor. Gosto de me sentir perfumado, em todas as ocasiões. Tenho um pra academia, o mesmo a mais de 4 anos. Pra usar pela manhã, num passeio de fim de semana. Num vernissage ou esposição ou palestra, à noite. Que não pode ser forte porém marcante. Eu tenho que gostar. Não uso por estar na moda ou em comercial. Gosto muito de experimentar.
    Gosto de dois dos escolhidos: POLO GREEN Ralph Lauren e FAHRENHEIT Dior. O Polo é meu cheiro, meu aroma de pele. Uso com frequência. Gosto muito e sou bastante lembrado/elogiado pelo meu perfume ao chegar. Acho Polo especial. Há pessoas que acham Polo é para ocasiões especiais. Eu uso no dia a dia. Assim sou especial, sou aquele aroma. Já Fahrenheit, uso menos, e prefiro usá-lo à noite. Moro em terras quentes. Mas é muito especial e marcante. Eu gosto muito, porém para ocasiões especiais. É forte, marcante mesmo. Especial também.
    Não conheço Joop, Gosto de Kourus de Yves Saint Laurent, mas nunca o usei. Não gosto do Le Mâle de Jean-Paul Gaultier. É moderno, fresco, mas não casa com meu olfato.
    Gosto que digam que o perfume que uso tem cheiro de homem. Parabéns pelo post.

  2. André  28/04/2014 - 01h18

    Os mais controversos? Na minha opinião, só o Kouros merece estar nessa lista… rs. Detesto, com todas as forças, kkk. Mas já adoro o Body Kouros, do frasco marrom.

    Polêmicos, na minha opinião, são:

    – M7: com aquele aroma medicinal de agarwood… Para alguns lembra cheiro de hospital…

    – Fleur du Male… Tem cheiro de dama da noite com açúcar queimado…

    – Antaeus pour homme da chanel (nem sei com o que aquilo se parece!)…

    – Egoiste de chanel…

  3. […] Certamente entrariam nesta lista também o Kouros (YSL) e o Polo (Ralph Lauren), se já não tivessem sido abordados no top 5 de perfumes controversos.  […]

  4. Carla Biscaglia  23/05/2014 - 14h54

    Da lista adoro joop homme, gosto muito de lê male, Fahrenheit eu não conheço (pois é…) e polo e azarro só me resultam naquela careta de repúdio. Mas aquilo… Nariz cada um tem o seu.

  5. Daleno  27/11/2014 - 12h20

    O Le Mâle e o Polo volta e meia tenho eles, e digo que rendem bastante elogios da mulherada, eu sou bregão curto eles, e ainda meu preferido é o Paco verde..mas este minha namorada diz que ultrapassa a breguiçe dai deixo de lado rsrs

  6. Miguel  19/03/2015 - 20h15

    Daniel Barros, você já sentiu a reformulação do Le Male? há diferenças para o vintage?
    Abarços
    Neto

  7. Queops  25/08/2015 - 03h06

    A nota de pinho, na verdade é uma nota de saída, que é super volátil, a qual se obteve não da resina, mas das agulhas (folhagens), o que não corresponde ao aroma dos desinfetantes a base de pinho que são bem aguarrás.
    A nota principal do Polo de Ralph Lauren sempre foi o imponente e chyprico Leather (couro), apresentando-se desde a fase de corpo até o fundo da fragrância, e em combinação a algumas notas aromáticas e de patchouly, conclui-se em um agradável cheiro de mato, seiva de folhas, remetendo à imensos e verdes gramados, como de onde se pratica esse esporte…

Se inscreva no mailing!
Seja convidado pra eventos e receba atualizações!